sexta-feira, 27 de junho de 2014

Demonical



Lançado em 2011 via Cyclone Empire
(Death Infernal)

Death Metal

1. The Arrival of Armageddon
2. Return in Flesh
3. Black Inferno
4. Ravenous
5. March for Victory
6. Through Hellfire
7. All Will Perish (The Final Liberation)
8. Slain Warriors
9. Darkness Awaits




Postado por: Renan Martins

Demolished



Lançado em 2009 via independent
(Defleshing the Innocent)

Death Metal

1. Adjustment of the Face
2. From the Ashes
3. Voices from the Depths
4. Into the Grinder
5. Call of War
6. Sarcofilas




Postado por: Renan Martins

Demisery



Lançado em 2011 via independent
(Hive of Mutation)

Death Metal


1. Hive of Mutation
2. Vicious Stabbing
3. The Enlightener
4. I, Warlord
5. Thralldom
6. Within the Shadow
7. Insurmountable Devastation
8. What You Have Become
9. The Revenant
10. Flattening of Emotions (Death Cover)
11. Whisper Thy Judgement



Postado por: Renan Martins

Dementia 13



Lançado em 2013 via Escaravelho Records
(Tales for the Carnivorous)

Death Metal


1. There Are Those Who Kill Violently
2. Feasting on Your Blood
3. Dark Urges
4. Brotherhood of the Flesh





Postado por: Renan Martins

Demented



Lançado em 2012 via Independent
(Across the Nature's Stillness)

Death Metal


1. The Ritual
2. Shaman
3. On the Edge
4. Spirits
5. Psycho Pomp
6. Sign of Creation
7. Ineffable Mysticism
8. The Ceremony
9. Reviving Fire
10. Light from the Stars
11. Listen to the Silence
12. Breathing Forest
13. Crossing the Land's Enlightenment



Postado por: Renan Martins

Demented



Lançado em 2010 via Independent
(Fields of Suffering)

Death Metal

1. Troubles
2. Sacrifice
3. To the Death
4. Voices
5. The Mirror
6. Vapors
7. Beyond Desorder
8. My Emptiness
9. Vision of Chaos
10. The Live
11. White Room
12. Cephalgic Rupture



Postado por: Renan Martins

Dellamorte



Lançado em 1996 via Finn-Records
(Everything You Hate)

Death Metal


1. Total Agony
2. Break the Limits
3. Fuck Off
4. Pieces
5. Empty
6. No Shit
7. In a Box
8. In Your Face
9. Never Bleed
10. Gotta' Explode
11. Monster
12. Syringe Kiss


Postado por: Renan Martins

Delirium X Tremens



Lançado em 2011 via Punishment 18 Records
(Belo Dunum, Echoes from the past)

Death Metal

1. I Was
2. Teveròn, The Sleeping Giant
3. The Legend of Càzha Selvàrega
4. Artiglieria Alpina
5. The Guardian
6. 33 Days of Pontificate (Vatican Inc)
7. An Old Dusty Dream Vajont, 9 ottobre 1963
8. Life Before Nothing
9. Scream of 2000 Screams
10. The Memory



Postado por: Renan Martins

DeathBlow



Lançado em 2009 via Brute! Productions
(First World Wasteland)

Death Metal

1. Sabot
2. Narrowscope
3. Miranda Warning
4. Extirpate the Skank
5. First World Wasteland
6. You Are Nothing
7. Deathblow
8. Freedom Is the Commodity



Postado por: Renan Martins

Death's Embrace



Lançado em 2006 via independent
(Mirror's Soul)

Death Metal

1. Mirror's Soul
2. End of First Chapter
3. Diabólicas Fuerzas de la Destrucción
4. Pleasure of Pain



Postado por: Renan Martins

Death Toll Rising



Lançado em 2010 via independent
(Defecation Suffocation)

Death Metal


1. The Visceral Remains
2. Blood Stained Ceiling
3. Defecation Suffocation
4. The Bludgeoning
5. Babyslitter
6. Transcendence Ritual



Postado por: Renan Martins

Death on Demand



Lançado em 2011 via Satanica Productions
(Tree of Woe)

Death Metal


1. Face of Hate
2. Violent Retribution
3. Tree of Woe
4. Into the Abyss
5. Face of Hate [Alternate Version] (feat. Graham Cleary)




Postado por: Renan Martins

Death Penalty




Lançado em 1998 via Wild Rags Records
(Conviction) 

Death Metal

1. Race of Hate (Bred Unto Ignorance)  
2. With Conviction (Self Pride)  
3. Suppressed (Salinas)  
4. And So I Die With... Regret (Years of Tears)  
5. Not Enough Time (The Struggle Within)  
6. Blind Society (The Truth Will Set You Free) 
7. Unspoken  
8. Surreal  

9. False Life (Living for Nothing) *bonus track

Postado por: Renan Martins

Death of Millions



Lançado em 1999 via Dies Irae Productions
(Frozen)

Technical Brutal Death Metal

1. Abortion Retrieval
2. Empty Shell Relief
3. Dead Corpse
4. No Excuse
5. Death Is the Love Drug
6. Diane
7. Frozen
8. Salvational Rot
9. The Feasting
10. Majestic Black
11. Ceremonial Rites
12. Kidnap Victim #12



Postado por: Renan Martins

Dead Eyed Sleeper



Lançado em 2009 via Supreme Chaos Records
(Through Forests of Nonentities)

Death Metal

1. Of Wires and Lenses
2. Cage of Immaturity
3. The Savage Plague
4. Metamorphine
5. Eye Am Glowing Pulse
6. The Sleep
7. Enigmatic Conniption
8. The Dead Eyed Sleeper - Pt.1 The Undercurrent
9. Outstepping the Meander



Postado por: Renan Martins

Dead for Ten Weeks



Lançado em 2007 via Unmatched Brutality Records
(Bloodline Detriment)

Brutal Death Metal

1. Under the Guise of Compassion
2. I Tried Dying Once
3. What Wouldn't Heal
4. Bloodline Detriment
5. Girl in the Glass Casket
6. Incessant Despondency
7. Downtown Gulfport Beatdown


Postado por: Renan Martins

quinta-feira, 26 de junho de 2014

Azelisassath: In Total Contempt of All Life



A obscuridade que mora dentro do Black Metal verdadeiro cresce toda vez que uma banda executa uma música pura.

Com todo o impacto do mundo a banda Azelisassath vem trazendo seu álbum intitulado “In Total Contempt of All Life” uma sensacional sonoridade que mostra muito nitidamente que o Black Metal antigo ainda está vivo.

In Total Contempt of All Life é apenas o primeiro álbum da banda que tem em sua carreira apenas dois lançamentos, o álbum In Total Contempt of All Life e a Demo intitulada “Likpredikan” que tem uma sonoridade muito boa também, apesar de ser instrumental.

Falando em instrumental a banda começa seu álbum com a faixa “Path of Pure Darkness” que também é um instrumental, uma faixa que é totalmente atmosférica, ela consegue com toda facilidade transmitir uma euforia muito grande.

A primeira música que não é instrumental é a segunda faixa intitulada “Malignant Soul Rape”, uma música que já começa totalmente saturada, totalmente rápida e com toda a destruição do mundo a musica é executada, muita potência nos riff’s rápidos e que conseguem transmitir muita energia, a bateria tem uma velocidade grande e consegue fazer a utilização do pedal de uma forma muito inteligente.

His Desecrating Evilness a terceira faixa do álbum tem um tom ainda mais profundo na questão do Black Metal antigo, você consegue se sentir em uma caverna totalmente escura e molhada, só que molhada com sangue.
O instrumental quando está completo e junto se torna uma máquina impecável que consegue romper todas as barreiras que estão em sua frente, o vocal é um Harsh Vocal da melhor qualidade, uma voz totalmente rasgada com uma potência grande, mas que algumas vezes fica ao fundo criando mais uma atmosfera do que puxando toda a responsabilidade e isso faz a música se tornar ainda mais tenebrosa em alguns momentos.

A Monument of Death é a música de número 4 e ela tem uma bateria muito seca que consegue te fazer lembrar do antigo lado das bandas Mayhem e Bathory, o lado mais trabalhado da banda aparece em todo momento, ela consegue expandir bastante a questão de apostar na utilização dos pratos da bateria e de uma guitarra totalmente caótica que quando saturada o seu som sai ainda mais cadavérico.

Nunca foi segredo que a Noruega foi o país que catapultou o Black Metal mais rasgado, mais tenebroso, mais intenso que nunca, mas a Noruega não é o único país que consegue fazer isso, existem outros países que tem uma potência muito grande nesse gênero do Metal, um desses países é a Suécia, Suécia que por sinal é o país dessa incrível banda, que consegue juntar a obscuridade a parte mais brutal da alma e a tenebrosidade sem medo e no fim consegue fazer um som totalmente próprio e totalmente explosivo, uma banda sensacional que não falhou nesse lançamento incrível que saiu via independente, mostrando também que a banda não depende de um selo para fazer acontecer e ela conseguiu ter uma produção muito bem feita e não falhou em momento algum.

A penúltima faixa vem com o título de “Eternal Fires of Desolation” e é sem dúvidas a melhor faixa do álbum.
Eternal Fires of Desolation tem uma potência muito grande e ela começa com um grito como se fosse uma água nascendo do mais ardente fogo do inferno e você consegue sentir um sentimento muito ruim quando escuta na alma, você consegue entrar totalmente na atmosfera criada pela construção musical da guitarra, a bateria como se fosse uma máquina que devora almas e o baixo trazendo a noite mais sangrenta possível, o vocal não tem muito o que falar, apenas que ele é sensacional e consegue fazer uma catapulta de ódio e dor da melhor forma possível fazendo você entrar em estado de colapso te jogando para um mundo totalmente diferente do qual você vive.

Para encerrar o álbum vem a faixa intitulada “Left Hand of the Evil Will”, e essa faixa encerra tudo de uma forma diferente, esquece o lado brutal e intenso, essa música carrega toda a atmosfera do Black Metal e isso torna tudo ainda mais potente mesmo sendo algo bem calmo, uma atmosfera da morte carregada por essa banda excelente.




Postado por: Renan Martins

quarta-feira, 25 de junho de 2014

Dead and Forgotten



Lançado em  2008 via Inverno
(Strix sive de ludificatione daemonum)

Black Metal

1. Waiting Again
2. As A Dying Tree
3. The Darkest Room
4. Detail of Hell
5. Interlude I
6. The Wounds Are Never Healed
7. Interlude II
8. The End of Winter


Postado por: Renan Martins

De Tärda



Lançado em  2011 via Division:Panzer
(På Allvar)

Black Metal


1. Glömd (intro)
2. Rovskog
3. Fanatisk Omfamning
4. Ditt Svek är Mitt Hat
5. Lede
6. Promenauto



Postado por: Renan Martins

Days of Our Lives


Lançado em  2010 via Independent
(All Alone)

Depressive Black Metal

1. Dying Alone 
 
2. All Alone  
3. Searching for Answers 
 
4. Fears




Postado por: Renan Martins

Dawn of Sorrow



Lançado em 2006 via Dipsomaniac Records
(Prelude to the War: The First Rehearsal)

Black Metal

1. The Black Path of Blood
2. Call of the Cthulhu
3. Priest Burn in Hell
4. Beast of the Dark Woods
5. Trinity of Shit
6. Titus Andronicus
7. Pure Satanic Warfare


Postado por: Renan Martins

Dawn of Division




Lançado em 2005 via Graveyard Records 666
(Awaiting the Dawn)

Black Metal


1. One Final Graven Kiss (Cradle of Filth cover)
2. Bride of Winter
3. Semicircle
4. Shout of the Moment
5. Awaiting the Dawn


Postado por: Renan Martins

Daudur



Lançado em 2005 via PerVerted Taste
(Daudur)

Black Metal


1. Dalen
2. The Voice of a Dying Man
3. Your Death Is Coming
4. Destruction Finally



Postado por: Renan Martins

Dauden i Mørke



Lançado em 2012 via Moonskull
(Nephilim)

Black Metal


1. Introduction
2. Spawn of Subversive Desires
3. Til Ungdommen
4. Slaying Ravana
5. Nephilim
6. Remnants of an Arcane War
7. Life Extermination Sequence
8. An Epitaph Lost and Forgotten
9. Fallen
10. Stem of the Æther
11. Requiem



Postado por: Renan Martins

Dasap



Lançado em 2011 via Independent
(D.A.S.A.P)

Black Metal

1. Yet Decayed
2. At Last
3. Open Water
4. Deny Failure
5. Totally Insane
6. The World Ends Her



Postado por: Renan Martins

Darvulia


Lançado em 2002 via D.U.K.E.
(L'ombre malicieuse)

Black Metal

1. Plumes infectieuses
2. Sorcier nécrophage
3. Infestations
4. Débauche macabre
5. Poussière maudite sur sol béni
6. La dernière nuit d'avril
7. Fille de druidesse
8. Sombre labyrinthe


Postado por: Renan Martins

Darlament Norvadian



Lançado em 2007 via Independent
(Throne of the Darkness Souls)

Black Metal

1. Throne of the Darkness Souls (intro)
2. Immortal Fragments of Sorrow
3. Dark Northern Throne
4. Darkness in Lament



Postado por: Renan Martins

domingo, 22 de junho de 2014

Paths: Diminished




Uma quantidade gigantesca de subgêneros nasceu a partir do Black Metal, entre eles podemos falar do Atmospheric Black Metal, Symphonic Black Metal, NSBM, Depressive Black Metal, EBM, Melodic Black Metal, e todos eles são incríveis, todos eles têm bandas sensacionais que conseguem juntar uma quantidade absurda de publico, mas ninguém nunca tinha tentado um Black Metal psicodélico, e foi nessa tentativa bem diferente que nasceu a banda Paths.

Paths não é só uma banda, ela consegue te fazer sair do seu mundo e ir para um lugar totalmente diferente, ela consegue fazer você atingir o seu lado mais poético possível, consegue fazer você entrar em estado de loucura muito facilmente e isso não é pra qualquer banda.

Em seu lançamento desse ano intitulado “Diminished” a banda Paths mostrou como é que se faz algo fora da realidade e sem sair do Black Metal.

Começando o álbum Diminished com a música intitulada “Diminished”, você já consegue ouvir uma voz como se fosse um diálogo com sua própria mente, o clima de mistério começa a aparecer e logo depois vem um som totalmente triste e carregado, com um som bem fosco e ao mesmo tempo lindo e lento podemos notar uma parte muito progressiva partindo da Guitarra, uma sensacional junção que conseguiu trazer algo lindo que é o Progressivo para o extremo e intenso que é o Black Metal, e se você não está acostumado com o som, não se preocupe, pois lembra muito o Black Metal atmosférico, só que mais bonito e mais lento.
O vocal demora um pouco para começar, e quando começa você consegue perceber o tom rasgado ao fundo, uma voz que dita um tom ainda mais triste, porem que combina muito com o andamento da música que fica um pouco mais rápido, mas sempre contando com a guitarra e o sintetizador criando um ambiente totalmente completo e cheio de vida para essa música incrível que não deixa falhas. 

Diminished foi à faixa que teria que começar o álbum, pois é sensacional e não deixa falhas, e em sua sequência vem à música “Sea Of Trees”, uma faixa que começa muito diferente da maioria que você já deve ter ouvido, uma forma nova de criar, uma forma linda e mágica de começar a música com um toque no teclado a banda consegue transportar sua alma para outro mundo e isso é muito importante.
A música é tão bem feita que dependendo do horário do dia que você escuta você consegue criar um novo cenário, e na noite ela se torna uma poesia ainda maior que carrega muita energia e muita criatividade banhado no puro Black Metal.
Mesmo demorando um pouco a música conta sim com um vocal, e um vocal totalmente bem feito, uma técnica que permite o Harsh Vocal não ficar totalmente apagado e nem totalmente na frente de tudo trazendo um som super rasgado, uma criação sensacional.

Em um momento triste a banda consegue atingir o lado mais eufórico da sua mente e mais melancólico com a música “Fading Scars And The Long Night”, uma banda que traz uma sonoridade tão diferente que consegue fazer todas as músicas de uma qualidade amedrontadora, poucas vezes você consegue encontrar algo tão real, que não sai em momento algum do Black Metal e que ainda assim consegue colocar um lado diferente de outro gênero totalmente mais calmo, mais poético no meio do caos, é realmente muito incrível o que a banda consegue fazer, e nessa faixa “Fading Scars And The Long Night” a banda consegue mostra um lado mais Black Metal com um ritmo mais rápido e um vocal com um pouco mais de destaque, tornando tudo mais sensacional ainda.

Continuando no lado mais Black Metal do álbum, provavelmente a faixa que mais carregada esse tom rápido e cadavérico é a música “I Am His Ghost”, que conta com um instrumental genial com uma guitarra rápida no tempo certo, uma bateria também rápida que consegue ao mesmo tempo que é seca combinar muito bem com todo o resto e o baixo que está ali apenas completando a música, porem, com muita importância, o vocal está mais rasgado e aparece mais, mas diferente das outras, essa música por ser um lado mais Black Metal ganhou um momento em que tem uma voz de peito sensacional de tom grave que consegue fazer tudo se tornar mais poético do que já estava.

Não tem como não falar nem que seja brevemente de todas as músicas desse sensacional lançamento, que é um dos melhores.
Na música “A Slave To Emotion” que é a penúltima, a música começa com um vocal de peito muito bem feito, uma voz magnífica que consegue em um tom perfeito se encaixar na música totalmente Depressive  Black Metal, mas com um tom psicodélico, a música se torna mais Black Metal ao decorrer, ela ganha batidas mais intensas nos pratos da bateria e consegue criar um vocal ainda mais rasgado.

Para encerrar esse álbum sensacional vem a música “Weighing You”, uma música tão triste quanto poderia ser.
Weighing You traz uma calma para sua alma de forma totalmente melancólica, um modo que mostra que seus problemas ainda estão vivos, e com a voz de uma mulher ao fundo começa a música totalmente carregada e cheia de emoção, e assim termina o esse álbum que sem dúvida nenhuma é mais que uma obra prima.



Postado por: Renan Martins

quarta-feira, 18 de junho de 2014

Perventor: Demo II



Quando o Black Metal foi criado a sua potência estava muito ligada ao lado rápido que mostrava toda a podridão e o quanto cru poderia ser uma música, mas conforme os anos, o Black Metal começou a criar novas vertentes, criar novos subgêneros e com isso as bandas começaram a apostar por criar algo mais melódico ou pro lado do Symphonic Black Metal ou Atmospheric Black Metal que são excelentes vertentes, porem, que não tem um lado tão cru quanto o Black Metal do começo de tudo.

Mesmo existindo o Symphonic Black Metal, Melodic Black Metal, Atmospheric Black Metal e todos os outros subgêneros desse incrível gênero, existem bandas que ainda querem fazer o Black Metal das antigas e se tem uma que consegue retratar isso da melhor forma e com todo o impacto possível é a banda Perventor que nunca decepciona com seu som totalmente cru.

E se existe uma forma de fazer um Black Metal cru ao extremo é apostar em suas Demos que tem uma produção não muito magnífica, mas sim, uma que deixa o som mais real possível, e com muita potência o Perventor lançou seu trabalho “Demo II”.

Demo II já começa com uma sensacional faixa que é intitulada “El Sendero Del Odio”, e se você tem dúvidas do trabalho da banda, essa faixa, ou melhor, essa Demo por completa deixa bem claro que a potência do Black Metal Cru existe e essa banda consegue retratar isso da melhor forma.
El Sendero Del Odio já tem um começo totalmente atormentador com um vocal impecável, o vocal dessa banda consegue criar uma atmosfera muito impactante e ao mesmo tempo atormentadora pela potência e pelo timbre agudo como se tivesse umas 500 almas gritando ao mesmo momento,  a potência do Baixo é muito nítida e você consegue notar o som dele muito facilmente, pois ele torna tudo mais caótico, como se fosse um batimento cardíaco.
A Bateria não poderia ficar de fora, uma velocidade não tão grande, mas sempre apostando nas batidas secas e a Guitarra não para um minuto, um riff muito sujo e com muita potência, e sempre um som muito saturado, a melhor forma de começar uma Demo de um Black Metal tão incrível.

Palabra Maldita a segunda música começa bem diferente da primeira, ela tem um som bem mais denso, porem isso é apenas no começo, pois depois o som volta a ser igual na música anterior, uma quantidade absurda de cargas de ódio e de dor no vocal mais insano de todos.
O vocal é muito bem feito e sua Técnica permite com que ele chegue em notas extremamente extremas, em alguns momentos conseguimos nos deparar com um gutural juntado ao Harsh Vocal e isso deixa tudo ainda mais caótico e confuso, porem, deixa a música muito mais demoníaca e potente, e se esse é o foco da banda então ela conseguiu atingir da melhor forma.
A Guitarra junto da Bateria e do Baixo em determinados momentos parece que criam uma tempestade com muitos raios e com um som de trovão ao fundo construindo o fim dos dias da melhor forma.

Um Black Metal mais intenso possível encontrado em uma Demo, isso é algo realmente real, poucas são as bandas que apostam nisso hoje em dia e quando apostam, poucas conseguem fazer um retrato do inferno tão bem feito assim, sensacional forma de seguir com esse trabalho que com toda a certeza do mundo marcou o trabalho do Perventor.

Seguindo na Demo II vem a música intitulada “Bringer Of Hate” que engana muito, pois começa totalmente baixa e do nada ela ganha uma potência muito grande e com muita intensidade, uma verdadeira construção do medo.
E com essa construção do medo a banda fez total questão de continuar levando isso até o fim da Demo e da música, essa música conta com um som bem mais calmo em relação ao vocal que não apresenta uma mistura tão grande entre Harsh Vocal e Gutural e que mostra mais o lado da dor do que do ódio, mas mesmo assim ainda consegue construir o Caos.

A ultima faixa, aquela faixa que tem que sempre encerrar com chave de ouro o trabalho, no caso a Demo II é a música “Fire Will Clean His Word” que tem uma bateria metralhadora impecável e que mais Black Metal que isso impossível, e a banda consegue trazer novamente o lado do Vocal totalmente perturbador e totalmente rasgado e com muita potência, e nessa ultima faixa é possível notar também as partes do Gutural que faz você se sentir no inferno por completo. 
Perventor uma banda que traz o Black Metal antigo da melhor forma possível.





Postado por: Renan Martins

Deathstorm



Lançado em 2013 via Wydawnictwo Muzyczne Psycho
(Nechesh)

Death Metal

1. He, Who Bears the Light
2. Vindictive
3. Actus Videi
4. Victims of Mental Enslavement
5. Kingdom Without End
6. Cross - The Inverted Symbolism
7. Opus Diaboli
8. Ascend!
9. NChSh


Postado por: Renan Martins

Deathrite



Lançado em 2013 via Per Koro Records
(Into Extinction)

Death Metal

1. Forsaken Tombs
2. Breathing Doom
3. Kingdom
4. Born Under a Guilotine
5. Vicious Throne
6. Into Extinction
7. Revenge & Reperations
8. Failure of Existence
9. Plagues
10. Deathbed
11. Infernal Void
12. The Golden Age


Postado por: Renan Martins

Deathless Anguish



Lançado em 2007 via Empire Records
(Demise Inception)

Death Metal

1. Prelude
2. Inauguration to Dissolution
3. Catastrophic
4. Demise Inception
5. Abdication to Nihility
6. Abomination Creed
7. Condemned Creation
8. Ominous Catacombs
9. Vigor Remnants




Postado por: Renan Martins

domingo, 15 de junho de 2014

Setherial: Lords of the Nightrealm




Foi no fogo que foi criado o Black Metal mais caótico possível e se tem uma banda que não pode deixar de ser falada é a “Setherial” e em seu álbum intitulado “Lords of the Nightrealm” a banda mostrou que não é só o fogo que ela traz, ela traz também a morte.

A primeira música vem com uma capacidade gigantesca, uma qualidade absurda e uma sensacional junção da bateria que está mais densa do que seca, mudando um pouco o costume, mostrando que o Black Metal pode ser mudado em algumas partes sem deixar de seguir o lado extremo do intenso de sempre.

Provando que a banda é mesmo criada no fogo vem à arte de capa da melhor forma possível, com a forma mais clássica do Black Metal, os membros usando o Corpse Paint e em um local obscuro com muitas chamas dando um tom muito único que combina perfeitamente com o álbum.

Continuando com esse álbum sensacional, vem a segunda faixa intitulada “Shades over Universe”, uma música que mostra uma potência muito absurda, o Black Metal sempre foi o lado intenso do extremo do Metal e nessa música a banda mostrou isso.
A Guitarra está totalmente saturada, totalmente suja e a bateria muito rápida, uma forma incansável e que mostra uma excelente técnica do músico.
Seria covardia não falar desse vocal tremendamente rasgado em um Harsh Vocal perfeito feito da dor e do ódio, uma técnica excelente que consegue transmitir o sentimento por completo do Vocalista.

Mesmo existindo muitas bandas não só de Black Metal, mas sim de todas as vertentes e subgêneros do Metal que faz utilização de uma mesma sonoridade, uma sonoridade muitas vezes cansativa e no Black Metal é muito fácil a banda cair nessa repetição pela velocidade e pela carga totalmente gigantesca de potência dos riff’s e de vocal, mas isso não acontece com todas e nesse álbum “Lords of the Nightrealm” a banda Setherial conseguiu construir uma sonoridade muito própria que é livre de várias músicas iguais.

Com um pedal duplo muito retardado a banda já começa a terceira faixa dessa forma que é um caos por completo e não deixa em momento algum faltar velocidade e ódio em sua criação, mas diferente das outras músicas, essa tem um tom bem mais carregado para a obscuridade e não para o puro ódio.
Intitulada “Into Everlasting Fire” a música é uma chave incrível para que o álbum se torne grudento e que você queira ouvir até o fim sem pular nenhuma música.

A metralhadora obscura da banda continua na próxima música, e Setherial consegue criar algo tão completo que a Guitarra consegue em seus riff’s trazer a noite para o cenário em sua mente e você cai em um sentimento de loucura e de dor, imaginando as pessoas sendo torturadas e cortadas em várias partes.
A música conta com uns gritos ao decorrer dela, gritos que representam o mais puro lado da dor sentida na alma, e para completar a música que segue com um Harsh Vocal sensacional, um Harsh vocal com uma técnica incrível também conta com uma junção em determinados momentos com um gutural muito impecável, uma forma de deixar tudo mais denso, tudo mais obscuro e bruto.

Through Sombre Times esse é o nome de uma das faixas que sinceramente pode ser considerada uma das melhores, isso se não for a melhor.
Essa música te faz entrar no inferno por completo, você consegue se sentir caminhando em um local totalmente quebrado ,totalmente caótico, cheio de dor e sangue, e seus piores pesadelos conseguem ter vida e você sofrerá com eles pela eternidade, uma incrível e potente música que só mostra a qualidade dessa banda impecável.

Encerrando esse Black Metal de muita qualidade que não é repetitivo em momento algum vem a música “Lords of the Nightrealm”, uma música que igual a anterior tem uma potência muito grande, mas o vocal é totalmente diferente, o vocal dessa música demonstra um lado mais cadavérico, algo mais rasgado e com um tom de dor muito maior, uma forma incrível para encerrar um trabalho tão bom.




Postado por: Renan Martins

quinta-feira, 12 de junho de 2014

Azaghal: Nemesis



A sombra do Black Metal sempre fica mais densa com a qualidade das bandas, e mais um nome que vem trazendo a perfeita junção de melodia com intensidade extrema é a Azaghal.

Azaghal é mais um nome que aparece com muita potência no cenário desse Metal tão incrível.

Se tornou muito difícil falar qual é a melhor banda de Black Metal, se tornou muito difícil dizer qual o país com as melhores bandas, mas uma coisa é certa, a Finlândia sempre carrega excelente artistas, isso dês do Power Metal até o Black Metal.

Com uma carreira bem sólida a banda Azaghal vem trazendo em seu último lançamento que é o álbum intitulado “Nemesis” que saiu em 2012 via Moribund Records, uma sonoridade de extremo bom gosto musical e com muita obscuridade do Black Metal.

A primeira faixa intitulada “De Masticatione Mortuorum”, a música já começa elétrica e com um Harsh Vocal incrível, a técnica é formidável em um som tão bem construído, um Black Metal que não cansa em momento algum, você pode ouvir a música várias vezes, ouvir em vários momentos da sua vida e ela lembrada sempre de tão bem constituída.

Continuando com esse álbum sensacional vem à música incrível chamada “Pohjoisen Valkoinen Kuolema” e nela podemos observar uma sonoridade bem mais puxada pro lado da tortura mental, uma potência muito grande em seus riff’s que trazem todo o clima de uma noite ardente em que seu corpo será banhado a sangue. 
O vocal parece estar mais baixo, mas isso não significa que ele está sem potência, pois pra música ele combinou perfeitamente.

Toda banda boa consegue mudar o ritmo das suas músicas sem perder o impacto e sem fugir do gênero que está propondo seguir, no caso, essa banda conseguiu isso da melhor forma possível e na faixa “Vihasta ja Veritöistä” a batida é mais lenta apesar do pedal duplo, os riff’s são mais puxado pro lado épico do que pro lado cadavérico e tenebroso, é uma verdadeira poesia dentro de um caos mental após uma euforia da alma.
O vocal mostra uma agonia gigantesca a cantar com um Harsh Vocal muito mais aberto e isso combinou perfeitamente com o Baixo e com os outros instrumentos, uma música sensacional que não deixa defeitos em momento algum.

Para alguns a qualidade está focada em um lado diferente, um lado que diz que para o álbum ser bom ele tem que ter uma sequência de músicas excelentes, ou então que ele tem que ser extremo do começo ao fim, e alguns outros podem dizer que pro álbum ser magnífico ele tem que ter um lado único.
O álbum Nemesis apresenta tudo isso e na música “Ex Nihilo” a qualidade é tão impecável que essa é uma das grandes para ganhar o título de melhor faixa do álbum.
O clima é carregado, o tom é totalmente pesado e não deixa nada faltar, e com muita técnica a banda apostou mais no lado denso e não na velocidade extrema e isso deixou a música ainda melhor, algo sensacional.

A banda é muito completa, ela consegue deixar claro a importância de todos os instrumentos, e em nenhum momento nenhum dos instrumentos fica apagado, você consegue ouvir nitidamente o som do Baixo que muitas pessoas têm dificuldade em saber qual é, você consegue ouvir a Bateria totalmente retardada que dita o ritmo da dor e consegue notar o espaço muito importante da Guitarra que distorcida causa muito caos ao cérebro trazendo a noite em forma de morte.

A faixa título tão aguardada vem com um impacto muito grande, uma bateria muito rápida e uma guitarra muito épica, não teria como falar dessa banda sem antes falar que ela é a mais épica do álbum.
A música ficou tão épica que chegou a parecer Demonaz, mas com sua própria característica, a banda consegue ser muito original nas músicas.

Para encerrar o álbum vem a música Satanic Devotion que é totalmente Black Metal, é intensa do começo ao fim, a melhor forma de começar a música, com uma bateria muito rápida ditando o melhor ritmo metralhadora e a guitarra totalmente saturada e distorcida e encerrando a música e o álbum da melhor forma possível também com muita energia, mostrando que esse lançamento é um dos melhores isso se não for o melhor da banda.




Postado por: Renan Martins

sexta-feira, 6 de junho de 2014

Black Magician



Lançado em 2012 via Shaman Recordings
(Nature Is the Devil's Church)

Doom Metal

1. The Foolish Fire
2. Full Plain I See, the Devil Knows How to Row
3. Four Thieves Vinegar
4. Of Ghosts and Their Worship
5. Chattox



Postado por: Renan Martins

Reverend Bizarre



Lançado em 2003 via Spikefarm Records
(Harbinger of Metal)

Doom Metal


1. Harbinger
2. Strange Horizon
3. The Ambassador
4. From the Void
5. The Wandering Jew
6. Into the Realms of Magickal Entertainment
7. Dunkelheit (Burzum cover)



Postado por: Renan Martins

Apostle of Solitude



Lançado em 2008 via Eyes Like Snow
(Sincerest Misery)

Doom Metal

1. The Messenger
2. Confess
3. The Dark Tower
4. A Slow Suicide
5. Last Tears
6. This Dustbowl Earth
7. Warbird
8. Sincerest Misery (1,000 Days)


Postado por: Renan Martins

Saint Vitus



Lançado em 2012 via Season of Mist
(Lillie: F-65)

Doom Metal


1. Let Them Fall
2. The Bleeding Ground
3. Vertigo
4. Blessed Night
5. The Waste of Time
6. Dependence
7. Withdrawal



Postado por: Renan Martins

Lord Vicar



Lançado em 2011 via The Church Within Records
(Signs of Osiris)

Doom Metal

1. Sign of Osiris Slain
2. The Answer
3. Child Witness
4. Between the Blue Temple and the North Tower
5. Sinking City
6. Endless November
7. Sign of Osiris Risen


Postado por: Renan Martins

Church of Void



Lançado em 2013 via Svart Records
(Dead Rising)

Doom Metal

1. Tristess
2. Son of a Witch
3. Winter Is Coming
4. Dead Rising (Subida del muerto)
5. The Owls Are Listening
6. The Magician
7. Entity of Kalypso
8. Little Child Lost


Postado por: Renan Martins

The Gates Of Slumber



Lançado em 2013 via Scion Audio Visual
(Stormcrow)

Doom Metal

1. Death March (Devil's Grip)
2. Driven Insane
3. Son of Hades
4. Dragon Caravan
5. Of That Which Can Never Be



Postado por: Renan Martins

Age of Taurus



Lançado em 2013 via Rise Above Records
(Desperate Souls of Tortured Times)

Doom Metal


1. A Rush of Power
2. Sinking City
3. Always in the Eye
4. Walk with Me, My Queen
5. Desperate Souls of Tortured Times
6. Embrace the Stone
7. The Bull and the Bear


Postado por: Renan Martins

Despond



Lançado em 2003 via Haceldama Productions
(Supreme Funeral Oration)

Death Doom Metal

1. Rains
2. Once in the Hole
3. Serenity in Darkness
4. Stellar Ways to the Everliving
5. Grief
6. Moonlight Suicide



Postado por: Renan Martins

Ea



Lançado em 2006 via Solitude Productions
(Ea Taesse)

Funeral Doom Metal

1. Laeleia
2. Mea Ta Souluola
3. Ea Taesse



Postado por: Renan Martins